domingo, 30 de setembro de 2012

CABO FRIO A SALVADOR

 
BALEIA JUBARTE (ABROLHOS)
Fomos ao mercado no centro de cabo frio fazer umas compras, tínhamos marcado um churrasco com nossos vizinhos de barco. No caminho o Nilson, veleiro Recantu´s, me ligou para saber se havia um lugar para ele na perna Cabo Frio Salvador. A noite saiu um belo churrasco, estava o Guilherme e a Valeria do veleiro Zíngaro, e o Ricardo e a Marga do veleiro Tao. 12/09. Oito horas da manhã embarcou o Nilson, à tarde abastecemos o Barco, lavamos geral, subimos o bote e marcamos nossa saída rumo a Vitoria e ou Caravelas. Às 6 da manhã seguimos nosso rumo, acompanhado do veleiro Tao. Motoramos até às 10 horas depois seguimos a vela Grande Genoa em asa de pomba e trinqueta. Nosso almoço um carreteiro de charque, quantidade suficiente para reciclar para a janta. À noite o vento se foi seguimos motorando, marcamos a cada três horas chamar o Tao no VHF, na madrugada perdemos o contato.

FERNANDO MACIEL ( CARAVELAS )
14/09. O Fernando está de aniversario, não tem bolo, mas tem o abraço dos amigos, nosso almoço macarronada com molho de linguiça e uma cerveja pra comemorar o aniversario.

FUNDEIO ( CARAVELAS )
 De manhã conseguimos falar com o Ricardo do veleiro Tao, nos informou que teve problema na bomba de água do motor na altura do São Tomé, mas com um pouco de mão de obra excessiva tinha temporariamente sanado o problema com uma bomba antiga que estava a bordo, pediu para darmos suporte de entrada em Vitória, pois ele chegaria só à noite.  A 13:30 H aproximadamente entrou um vento entre 12 a 15 nós, vento de traves a 3/4, ai ficou gostoso, estávamos a 10 milhas de Vitoria. Chamamos o Weber do veleiro Acauã no VHF, conversamos por um longo período colocando o papo em dia, falei a ele para dar apoio ao veleiro Tao para a entrada em Vitória, que nós queríamos aproveitar a velejada e ir até Caravelas. Ele se prontificou a dar o apoio e nós seguimos tranquilos pois tínhamos deixado os amigos em boas mãos. Tentei contato com o Tao para avisar de nossa decisão, mas por ora não tive sucesso. Mais tarde ouvi o Tao me chamar no Radio informando que avia mudado os planos, iria entrar em Guarapari e seguiria no outro dia para Vitória, avisei a ele que tinha conversado com o Weber.

CARAVELAS
CARAVELAS
Velejamos até meio dia do dia 15/09, encontramos varias baleias Jubarte. As 18:00H fundeamos proximo ao cais, fizemos um lanche e depois de varias tentativas de internet sem sucesso, fui dormir, mas foi difícil pois os mosquitos também estavam visitando caravelas. Na madrugada choveu bastante o que foi bom, pois alem de refrescar lavou o barco tirando o excesso de sal. De manhã após o café mudamos o fundeio para mais próximo ao cais, à maré ao contrario da chegada estava baixa e o píer estava nas alturas, e bota altura nisso, alias a maré nessa região é muito alta e a correnteza é muito forte. Baixamos o bote que deu um suador pra fazer funcionar o motor, vou trocar o combustível acho que está contaminado, amarramos o bote em um catamaran  de mergulho e fomos conhecer a cidade, que para mim foi uma decepção. Muito suja difícil de desembarcar, um lugar que poderia ser maravilhoso, porto de partida para quem vai conhecer abrolhos, tem que encarar a sujeira das ruas, pelo menos deveria ter um píer flutuante para quem chega de barco e ter onde amarrar o bote espero se um dia eu voltar a Caravelas tudo tenha mudado, pois falta pouco para transformar em um pequeno paraíso turístico.
DESEMBARQUE EM CARAVELAS
FUNDEIO (CARAVELAS)
Almoçamos em um restaurante ao lado do posto de combustível, sentamos fizemos o pedido, e um senhor que acho que é o proprietário ligou o som, em cima de nossas cabeças havia as únicas duas caixas e o volume acima do aceitável para quem quer almoçar e conversar. Pedimos à moça que nos atendeu que baixasse um pouco, e o homem aumentava o volume, pedíamos de novo ela baixava e ele aumentava, uma falta de respeito com os clientes, quem queria ouvir o som era ele, mas as caixas estavam em cima de nossas cabeças.
BALEIA JUBARTE (ABROLHOS)
16/09 as 13:30H saímos rumo a Salvador, maré entrando com três nós de corrente contra, resolvi contornar o parcel das paredes para depois por o rumo em Salvador, poderia ir por baixo mas achei complicado pois o vento daria na cara e estava entre 15 nós. Depois de contornar o parcel das paredes, o rumo a Salvador deu uma orça apertada com vento fraco que no Maximo era de 10 nós, baixando e às vezes zerando, então, foi vela e motor até Salvador. Chegamos ao Centro Náutico da Bahia as 21:30H, do dia 18/09.
SALVADOR

TERMINAL NAUTICO DA BAHIA (TENAB)
No outro dia chegou o veleiro Bar a vento do casal Alípio e Gil, que tive o prazer de conhecer.  Quinta feira 20/09, fomos ao Bahia Marina almoçamos, lá procurei o Douglas para resolver uns problemas de Osmar, osmarcontato nos instrumentos, e instalar um cabo VGA para interligar os instrumentos na TV. Marcamos para domingo e o serviço foi executado com profissionalismo e rapidez, quem precisar de apoio em eletrônica entre outros serviços procura o Douglas (71) 91960543). Nesta mesma quinta feira, fomos abastecer o Barco, à tarde senti um forte cheiro de Diesel no interior do barco. O tanque de numero dois havia vazado na borracha que veda o sensor que marca nível de combustível, tirei o sensor e uns 10 litros de diesel do tanque, sequei bem e refis o trabalho sem a borracha, vedando com sikaflex. Ficou ótimo, mas para deixar o barco habitável com cheiro de casinha foram dois dias de muito trabalho, lava, bota um produto, troca o produto até que consegui.
VELEIRO BAR A VENTO
À tarde o Nilson desembarcou e foi buscar a Fátima no aeroporto, foram na casa de amigos em Itaparica. Sábado o Fernando voltou a Porto Alegre, vai aguardar o aviso de frente para seguirmos a Recife.
NILSON

Hoje 25/09 a Cleuza chegou para passar três dias aqui em Salvador. É muito bom encontrar a pessoa que amamos, só faltou o Junior e a Tayná, nem sempre podemos ter tudo. Passeamos bastante em alguns lugares tradicionais de Salvador.
CLEUZA (CENÁRIO DO FILME O PAGADOR DE PROMEÇA)
Na quinta perto do meio dia entrou uma frente muito forte, os barcos não param de dar trancos deixando a vida a bordo muito desconfortável, as escunas que fazem passeios estão proibida de sair.
video
 
 

À noite tivemos a visita a bordo do Alípio e da Gil, comemoras com caipiras e um maravilhoso licor de ervas do Alambique do Pedro Alemão de Porto Belo, depois de muita conversa, um sorvete para fechar a noite.
 
Levei a Cleuza ao Aeroporto as duas da madrugada, pois, o voo de retorno a Porto Alegre era às 3:50H. Sábado a noite fui a um churrasco no Aratu Iate Clube onde estava a flotilha do Cruzeiro costa Leste, fui convidado pelo João do veleiro Triunfo, alugamos um Taxi grande e fomos em sete pessoas. Domingo 30/09 à tarde sairemos para Recife.
 
 
 
 
 
 

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

PARATY A CABO FRIO



PARATY



Depois do café da manhã, dia 04/09 saímos de Paraty com tempo fechado e chuvoso rumo a Ilha Grande. Chegamos ao Sitio Forte logo após o meio dia, nosso almoço carreteiro que havia sobrado, ficou muito bom acompanhado de um vinho que o Paulo deixou no Barco. 05/09, tiramos a previsão vento contra e fraco, resolvemos ir para Cabo Frio no motor, perto da Laje da Marambaia, o vento começou a aumentar, o que era para ser contra e fraco, ficou forte, 18 nós com rajadas de 23, e mar muito alto e mexido, tinha aviso de ressaca naquela região, e pra atrapalhar corrente contra de 1,5 a 2 nós, resolvemos entrar no Rio de Janeiro, chegamos às 21.30 horas no Iate Clube.
 
 
PRAINHA AO LADO DA MARINA DO ENGENHO



GIGANTE, MARINA DO ENGENHO
Atracamos na piscina do clube, o barco dava tranco forçando muito os cunhos devido à ressaca, a noite ali seria muito desconfortável e o barco muito judiado, nos indicaram uma poita, passamos uma noite tranquila e confortável. De manhã fomos a sede do clube dar entrada no barco, caminhamos pelo clube onde o Fernando já conhecia, me mostrou toda a estrutura, eu nem imaginava que era tão grande, também o Entre Pólos e sua tripulação foram bem recebidos.

SITIO FORTE
 
LAGE DA MARAMBAIA

Almoçamos em um restaurante do clube, depois pegamos um taxi e fomos a Marina da Gloria, estão reformando os trapiches substituindo os antigos flutuantes por novos. À tarde já a bordo veio o barco de apoio do clube avisando que deveríamos trocar de poita, pois o sócio que usava esta estava para chegar, sem problemas indique outra que mudamos. Na ora de ligar o motor novamente não pegava, havíamos revisado todos os fios, mas às vezes ele negava fazendo aqueles estalos no automático do motor de arranque. Algumas tentativas depois, mexe em fios, faz direta e de repente pegou e levamos para a poita, alias muito afastada da sede do clube.
IATE CLUBE DO RIO DE JANEIRO
COCORÓCA BARCO DE TRANSLADO PARA POITA
IATE CLUBE DO RIO DE JANEIRO
POITA DO IATE CLUBE DO RIO DE JANEIRO

À noite tive um pesadelo, talvez por estar impressionado com o acidente do veleiro Nanuk, e por o motor negar na hora da partida. Sonhei que o Entre Pólos estava fazendo água e que quando abri os paineiros à água quase cobria as baterias, e as bombas tirando água, parecia uma disputa água e bomba, água querendo acabar com as baterias e as bombas querendo salvar.  Acordei, levantei os paineiros para saber se realmente era um pesadelo. No outro dia o motor também não pegou, novamente mexemos em todos os fios, sem sucesso chamamos o eletricista do clube que ficou de vir ao meio dia. Passando dez minutos do meio dia chegou o mecânico Mauricio que rapidamente resolveu o problema, era o fio negativo da bateria de partida que estava longe atrás do painel, por nunca ter dado problemas até havia esquecido o endereço deste cabo. Almoçamos na sede do clube, e após saímos para uma bela caminhada no bairro da Urca. Fomos até a praia vermelha descobrimos uma trilha no morro da Urca com muita gente passeando, fizemos toda a trilha, no caminho havia gente pescando, fazendo Rapel, uma infinidade de laser que esta área proporciona. No retorno encontramos um bando de Macaquinhos Sagui, mansos que vinham comer nas mãos do pessoal. Na volta passamos no supermercado. Chegamos ao Barco já no escuro. De madrugada acordei com a bomba pressurizada disparada e um barulho de água no porão, pulei da cama e levantei os paineiros, tomei um susto, meio dormindo achei que meu pesadelo da noite anterior se tornara realidade, o porão com mais de cem litros de água. Felizmente foi só a mangueira da torneira da pia do banheiro que tinha escapado. Desliguei a pressurizada e voltei a dormir. De manhã rapidamente substitui a abraçadeira e resolvi o problema. Perto do meio dia o amigo Seiji que mora aqui no Rio, veio nos buscar para um passeio, fomos ao bar Joaquim & Manuel, depois de vários Chops e petiscos voltamos ao clube para abastecer o Barco de água e lavar o convés que ainda estava salgado, pois com a regata que havia no clube, (classe HPE) o píer era liberado só durante a regata. Voltamos a poita ajeitamos o barco e voltamos à sede para dar saída no barco, pois iríamos sair as cinco da madrugada de domingo. No horário acordamos, tomamos café e logo seguimos nosso rumo ainda incerto, pois, queríamos ver as condições de mar e vento, já que a previsão era de vento muito fraco, e assim foi, mas, quanto mais perto de Arraial do Cabo mais aumentava a corrente e o vento também forte e na cara. Resolvemos ir para Cabo Frio. Chegamos a Cabo Frio as 17:30h na subsede do Iate Clube do Rio De janeiro. Estão aqui os veleiros Tao dos amigos de Porto Alegre Ricardo e Marga, e o Guilherme do veleiro Zíngaro do Rio de Janeiro. Vamos esperar aqui a frente que parece estar confirmando para quinta dia 13/09.   

MACACOS DO MORRO DA URCA (SAGUI)
SAGUI
BAIRRO DA URCA
AO FUNDO DO CLUBE, CORCOVADO
ALMOÇO COM O AMIGO SEIJI SATO
FERNANDO MACIEL TRAVES DAS ILHAS DO RIO DE JANEIRO
RUMO A CABO FRIO
CABO FRIO
CABO FRIO ENTRDA DO CANAL
CABO FRIO
CABO FRIO
SUB-SEDE DO IATE CLUBE DO RIO DE JANEIRO (CABO FRIO)
VELEIRO TAO E VELEIRO ZÍNGARO (CABO FRIO)

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

PORTO ALEGRE À PARATY

IATE CLUBE DE ILHABELA
                                  
Saída perfeita, vento favorável nordeste, tripulação pronta. Assim saímos dia 24/08 logo após o almoço no restaurante do ICG. Até a Ilha do junco motor, na lagoa só vela grande com NE vento 3/4 de 18 à 25 nós, chegamos em Rio Grande dia 25/08 após 23.30 horas de viagem. Sexta feira às 15 horas do dia 26/08, saímos rumo a Porto Belo, às 21 horas entrou a frente fria, muito forte, de noite o frio não deixava dormir, ondas altas e desencontradas faziam o Entre Pólos quase atravessar por varias vezes, mais tarde descobri que um dos lineares hidráulicos havia feito ar, rapidamente desliguei e acionei o outro e o barco tomou seu rumo bem mais confortável. As noites frias foram amenizadas com a tradicional sopa da Cleuza. Nosso almoço do primeiro dia e do segundo, foi uma maravilha, já pré-pronto lasanha e arroz com galinha que o Paulo trouxe feito pela dona Mare, isso facilitou nossa vida, pois estava ruim de cozinhar devido ao mar muito mexido, nada parava dentro da cabine do Entre Pólos. Domingo ao meio dia com o mar mais tranquilo no través de Floripa, fiz uma picanha no forno com creme de leite para comemorar a nossa travessia bem sucedida. Seguimos toda a navegada com vento de popa e vela grande no segundo rizo, até a Ilha do Arvoredo, depois tiramos o Rizo e abrimos a genoa pela primeira vez nesta perna. Chegamos em Porto Belo às cinco horas da manhã,  nesta travessia levamos 62 horas bem velejadas. O Paulo voltou à noite para Porto Alegre, tinha compromissos e não pode continuar. Terça-feira chuvosa, preparamos tudo para seguir viagem, fomos ao super comprar algum item que faltava, almoçamos um maravilhoso arroz de quenga pobre, feito em boa quantidade para sobrar para o almoço do próximo dia. As treze e trinta horas do dia 28/08 saímos eu e o Fernando rumo a Ilha Bela, ainda com muita chuva que só terminou na manhã de quarta-feira. As noites muito frias, porem muito claras, também grande movimento de pesqueiros e navios, vento favorável e fraco que na maioria das vezes era ajudado com motor. As nove e trinta da manhã de 30/08 chegamos no Iate Clube de Ilhabela. No primeiro dia não trabalhamos no barco só avaliamos o que teríamos que fazer no dia seguinte. Sangrar o Hidráulico do piloto que havia afrouxado os parafusos do solenoide e feito ar, este linear é o novo recém-instalado. Trocar uma chave que estava em curto, esta chave une às baterias de serviço à bateria do motor, usada para emergência no caso de ficar sem carga na bateria automotiva, substituir a bomba da caixa de esgoto do chuveiro, trocar o cabo do segundo riso que estava para romper, lavar o barco e abastecer de água.

CHEGANDO EM RIO GRANDE
02/09. Saímos as 8.30 de Ilhabela rumo a Paraty, navegada tranquila vento fraco às vezes nada, motor direto, dia ensolarado temperatura agradável, cerveja gelada e as 19.30 fundeamos na prainha ao lado da Marina do Engenho. Hoje dia 03/09 um dia especial, estou comemorando 10 anos sem cigarro. Única atitude na vida que me arrependo é de um dia ter fumado, e não era pouco! Três maços por dia em media, 60 cigarros dia X 10 anos = 219,000 ( Duzentos e dezenove mil) cigarro. Ter parado foi uma vitória, um dos meus orgulhos.  
MOLHES DE RIO GRANDE
NAVIOS VISUALIZADOS NO AIS AGUARDANDO A ENTRADA NA BARRA EM RIO GRANDE


CONSERTANDO ANT - JAIBE
 
 
FERNANDO ILHABELA
 
PAULO SILVEIRA
 
 
PAULO E FERNANDO
 
PICANHA COM CREME DE LEITE
 
 
GIGANTE