terça-feira, 24 de setembro de 2013

REFORMA APÓS A QUEDA DO MASTRO

A quase um ano da queda do mastro em Fernando de Noronha, estou atualizado o Blog relatando resumidamente a reforma do barco.  Assim que cheguei de Noronha em novembro de 2012, dividi com o Fernando (Planeta Água) um Box fechado no clube para descarregar o barco e por as peças e acessórios que iam sendo desmontado, este Box é uma garagem de lancha de tamanho razoável para a minha necessidade, o Fernando ocupa apenas três prateleiras, então sobrava espaço.

BOX, IATE CLUBE GUAIBA
Acertei com o Sadí da Náutica Navegantes para fazer as devidas modificações de usinagem no meu novo mastro. Também tivemos que fazer algumas alterações no pé de mastro, pois depois de ter desmontado para pintura descobri o verdadeiro problema que ocasionou a fadiga que se deu a queda do mastro.
 
 
 O reforço do convés era um cano mais fino que o perfil do mastro, não teria problemas se houvesse um reforço no pé de mastro, pois era apoiado somente em cima da chapa do convés, com uma placa de madeira de Loro frejó para evitar eletrólise do ferro com o alumínio. Acho que se o mastro não tivesse caído talvez tivesse perfurado o convés e entrado na cabine, pois o mastro de reforço interno já estava cortando a chapa, mesmo com esta deficiência navegamos por quarenta e duas mil milhas.
  
 Na reforma antes da pintura a náutica navegantes fez todo o trabalho de reforço com solda. Na base do mastro tivemos que por um esticador para levantar o convés que havia afundado um pouco, a olho não se percebia, foi soldado uma chapa de inox por dentro da cabine de cinco milímetros e mais travessas, por cima do convés uma chapa de inox de meia polegada com os parafusos prisioneiros do pé de mastro, até pode ser um exagero, mas agora sei que não terá mais este problema.


 


Vários pontos com parafusos passantes que havia no convés, que é a dor de cabeça de todos que tem barco de aço, pois sempre aparece contaminação, não importando se o barco tem tratamento galvanizado ou de tintas especiais, é uma merda, sempre temos que andar com lixa pincel e tinta, pois esta contaminação amarelada mais conhecida como ferrugem escorre por tudo dando um aspecto horrível. Resolvido, foram soldados várias bolachas de inox e parafusos prisioneiros para os pontos fixos e bordas falsas. Soldamos um suporte na popa para um leme de fortuna e outras utilidades que tenho em mente para o destino deste suporte. Tirei também as duas entradas de ar que tinha em cada bordo, uma em cima do banheiro e outra em cima da cozinha soldando a entrada, esta sempre foi uma eterna dor de cabeça, pois na travessia do atlântico tive que vedá-las, pois cada vez que chovia ou subia alguma onda entrava água que escorria dentro da forração, indo parar água salgada em baixo do banheiro onde dava a contaminação, pois o acesso era restrito, quando tirei a parte que fecha por dentro descobri o motivo porque não vedava, quem montou botou com parafusos de cabeça redonda em vez de chata e com encaixe cônico, quando fechava por dentro não atingia a borracha de vedação por causa da altura dos parafusos. O problema de fazer este tipo de solda com o interior pronto, é que tive que desmontar toda a forração interna, deu um trabalhão, este serviço eu mesmo fiz, desmontei e montei.
O leme estava com folga no eixo, pois não tinha um apoio em cima somente uma bucha em baio no túnel e um rolamento de encosto no final do túnel abaixo do quadrante. Troquei o eixo por um tubo com paredes mais grossas aumentando também o comprimento, soldando um suporte para um rolamento, tirando o esforço lateral em que se dava o desgaste do eixo deixando este conjunto mais forte e cem por cento confiáveis, este era um dos pontos que eu sempre revisava e assistia o conjunto trabalhar quando navegava em condições mais extremas, resumindo ficou com era pra ser.
 
O piso do banheiro era de madeira, nunca deu problema de vazamento era perfeito, mas em baixo tem um tanque de água que em 2010 tive que tirar o piso e o tanque para fazer um tratamento no porão, motivo do tratamento, a água que entrava na entrada de ar citado a cima. O empreiteiro que fez o trabalho teve que quebrar a moldura de acabamento para conseguir tirar o piso, para tirar o tanque teve que desmontar toda a bancada e armários do banheiro, dando um trabalhão danado e um gasto que não estava em meu orçamento.
Dessa vês como tinha tempo resolvi economizar e eu mesmo fazer o serviço, levei quase um dia só para descolar as molduras do piso com o formão, quando ia desmanchar os armários e a bancada, estudei o tanque e descobri que se diminuísse três centímetros do tanque de inox acabaria com este problema e não precisaria nunca mais desmanchar os armários do banheiro, o pessoal da Náutica Navegantes cortou o tanque no lugar, aproveitei e também mandei cortar o tanque do corredor que ficava com uma parte debaixo da pia da cozinha e se um dia precisasse tirar teria que desmontar a bancada e os armários, na cabine de proa tem um tanque em baixo da cama que também não saía, cortei as travessas da cama que era soldado, agora com parafusos ficou fácil de tirar o tanque. O novo piso do banheiro foi feito em fibra pelo Jorge do I.C.G, ficou ótimo.
Os dois tanques de Diesel foram tirados do barco para limpar.

O boiler também dava problema quando precisava tirar para manutenção, foi feito um novo, dois centímetro menor que o antigo, agora este com registros de inox, para o caso de vazamento.
Toda a ferragem levei para minha empresa e nas horas de folga lavei e fiz um polimento manual, todos os parafusos lavados com solvente, as catracas desmontei todas, são oito lavei e lubrifiquei.
  Aproveitei meu tempo disponível e comecei a montar o interior do barco, montei o banheiro, as partes hidráulicas que tinha sido desmontadas montei e revisei todo o resto substituindo algumas mangueiras e abraçadeiras, também fiz o mesmo com a parte elétrica.
A pintura foi feita pelo Felipe e seu auxiliar, internamente foi pintado todo o porão, o interior envernizado, os paineiros revisados e alguns recolado as laminas que estavam frouxas, lixado e envernizado novamente com verniz poliuretano.

Pintura do casco e convés completo, retirado o antiderrapante de micro esfera, que deu um trabalhão para o Felipe.
 


A montagem do mastro foi feita pelo Guilherme, os enroladores de genoa Profurl, com a ajuda do amigo de Rio Grande Guto Vieira, que tinha um perfil sobrando, conseguimos recuperar. A antena do radar e o sensor da estação de vento não deu para consertar, tive que por novos.
 
 
Barco pintado e com o interior quase pronto o barco foi para a água dia 14/05 e dia 17/05 o novo mastro a ser instalado, o estresse estava grande, muitos amigos ajudando na faina de subir o mastro, a água do rio estava muito alta e a medida do guincho para por o mastro em pé, no limite. Entrei na cabine para pegar uma chave de fenda, em seguida retornei para pegar um alicate, aí aconteceu o inesperado, o auxiliar do pintor estava dando os últimos retoques de pintura no compartimento do motor e tirou a escada e não avisou, sem escada e sem paineiros ficou alto, caí com tudo, tentei me segurar abraçando a gaiúta de entrada e o braço não resistiu ao peso, resultado arrebentou um tendão do bíceps. A dor era grande mas podia mexer o braço então cheguei a conclusão que nada havia se quebrado, só três meses depois que fui ao medico onde foi diagnosticado este rompimento, pois sempre tinha dor por não ter parado de trabalhar fazendo movimentos de chave de fenda e martelo, e carregando algum peso.
 
 
 
 
Com a ajuda do Felipe fizemos os moldes do novo antiderrapante. Trouxe para minha empresa os moldes de cartolina e repassei para um papelão mais forte, levei para o Barco e fiz a simulação e os ajustes. Encomendei em uma empresa de Novo Hamburgo aqui no Rio Grande do Sul, as placas de EVA na densidade e dureza que achei melhor e um desenho muito bom para a estampa, na cor bege dando um perfeito destaque ao branco do convés. Eu mesmo cortei os 64 painéis e colei, este trabalho foi o mais difícil com o problema no meu braço, mas o resultado gratificante ficou perfeito.
 
 
 
 
 
Agora o Entre Pólos está pronto para novas aventuras, já correu uma regatinha, navegando lindamente com suas linhas harmoniosas nas águas do Guaíba. Com as modificações ou correção de erros, ficou perfeito, modificações de quem usa o barco para navegar e prima pela segurança.

AGRADEÇO A TODOS OS AMIGOS QUE COLABORARAM DE FORMA ESPONTÂNEA,   EM ESPECIAL O AMIGO GIACOMIN E RICARDO (DY)


 
 
 

7 comentários:

  1. Fala Gigante,

    agora esta máquina de comer milhas ficou ainda melhor.
    Qu venham muitas REFENOs!!
    Abs
    Paulo Ribeiro
    Bepaluhê

    ResponderExcluir
  2. Legal , serviço de primeira ! Vamo de novo rs rs ! Abraçoss ffiala

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo belíssimo trabalho =)
    BONS VENTOS.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns meu amigo, teu capricho é um exemplo pra todos nós... Demorei mas coloquei um link da reforma la no Blog do Planeta Água.
    Abração

    ResponderExcluir
  5. Parabéns Gigante, caprichou...esperamos nos encontrar em breve por esses mares, beijão, da família "Bar a vento"

    ResponderExcluir
  6. Só quem ama velejar, sabe que a melhor coisa para aliviar a abstinência do mar é pensar, estudar, reformar, melhorar, seu barco. Mas além disso, há um espetáculo de qualidade de trabalho e perfeccionismo na reforma do Entre Pólos, está uma obra de arte. Parabéns Gigante. Se cuida tão bem de um barco, imagine da família e amigos! Deve ter um coração gigante tb. Tudo de bom! Melhoras com o braço e Bons ventos! Parabéns! Alex Brito - catamaran Samej

    ResponderExcluir